Estação Ferroviária do Montijo: do sonho ao declínio

SAIBA MAIS:

Sabia que o Montijo já teve uma estação ferroviária? Venha conhecer a história da antiga Estação Ferroviária do Montijo, desde os primeiros passos, passando pelos dias de glória ao seu declínio, que perdurou no tempo. No entanto, no passado dia 9 de dezembro, a Câmara Municipal do Montijo aprovou as obras de requalificação dos edifícios e zonas envolventes. Conheça também os planos da autarquia.

Situada no Bairro da Calçada, a Estação Ferroviária do Montijo fazia parte do Ramal do Montijo conhecido, na época, como o Ramal da Aldegallega, que ligava a cidade do Montijo ao Pinhal Novo.

 A Companhia Nacional dos Caminhos de Ferro ao Sul do Tejo, conhecida como Companhia Brasileira nasceu quando, em Portugal, a regeneração fontista se desenvolvia, de forma a incrementar também o país e introduzir o caminho-de-ferro no dia-a-dia dos portugueses. Desta forma, pensava-se que o fim do tráfico negreiro viesse a dar origem à injeção de capitais de outros países em Portugal para o desenvolvimento da rede ferroviária.

No dia 24 de julho de 1854, a Companhia Brasileira celebrou um contrato que visava a construção de uma via-férrea, que ligaria o Montijo a Vendas Novas.

No entanto, devido a pressões impostas, foi celebrado, no dia 26 de agosto de 1854, um outro contrato, no qual se referia que a linha férrea seria “… uma linha do Barreiro às Vendas Novas, passando tão perto, quanto for conveniente, nos termos do dito contracto, do Lavradio, Alhos-Vedros, Moita e Palmella”, refere-se no Diário do Governo nº2, do dia 29 de agosto de 1854.

Em 1906, Francisco da Silva, então presidente da Câmara Municipal do Montijo, emitiu um parecer favorável à construção do ramal entre o Pinhal Novo e a cidade do Montijo. O presidente considerou o projeto como viável, visto que a execução do mesmo não teria o investimento da autarquia ou do governo. Desta forma, o presidente propôs algumas modalidades de empréstimo, que seriam pagos com os ganhos da exploração da linha ferroviária.

No ano seguinte, um decreto autorizou a Câmara Municipal do Montijo a pedir o empréstimo para a construção do Ramal do Montijo. O investimento teve um custo de 83.000$000 e a exploração do Ramal foi feita pela Caminhos de Ferro do Estado.

Foi no dia 4 de outubro de 1908 que foi inaugurada a estação. Nos dias que antecederam, o Diário de Notícias publicava a seguinte notícia “O primeiro comboio neste dia, partirá de Lisboa às 10.50 da manhã para chegar à Aldegallega às 12.34 da tarde, sendo este comboio da inauguração…”. A cerimónia contou ainda com uma corrida de touros, abrilhantada pela banda da Sociedade Filarmónica 1.º Dezembro.

Nos primeiros anos, o Ramal teve muito movimento, como previsto, o que permitiu à autarquia pagar a totalidade do empréstimo.

O ramal tinha como principal objetivo o transporte de mercadorias como gado, especialmente suíno que vinha do Alentejo. O movimento de mercadorias trouxe um grande desenvolvimento da indústria ao Montijo.

No entanto, em 1989, a circulação no Ramal foi suspensa, devido a motivos económicos. Em 2002, a Câmara Municipa de Palmela pretendia assinar um acordo com a Rede Ferroviária Nacional para a construção de uma Ecopista, no antigo ramal, desde o Pinhal Novo ao Montijo. O objetivo era criar zonas de lazer e uma pista para biciclietas, desde a Rua Luís de Camões, no Pinhal Novo até à fronteira da freguesia. A finalidade foi revitalizar a zona.

No livro “Do Sonho à Realidade: O Ramal de Caminho de Ferro de Aldeia Gallega”, de Joaquim Baldrico pode encontrar a história completa das lutas levadas a cabo pelas autoridades municipais para trazer o comboio ao Montijo, o período de construção e a descrição da inauguração, com a chegada do comboio.

No passado dia 9 de dezembro,  a Câmara Municipal do Montijo, deu início à requalificação da antiga Estação Ferroviária do Montijo.

A subconcessão do uso dos edifícios e terrenos envolventes, foi assim aprovada pela Câmara Municipal do Montijo e pela IP Património, na reunião de câmara.

O contrato aprovado, permitirá a recuperação dos edifícios para a futura instalação  e funcionamento de atividades de cariz social, turístico e cultural, assim como de apoio à ciclovia que recentemente foi construída onde eram os caminhos de ferro.

Serão ainda construídos espaços verdes, nas zonas envolventes, de forma a valorizar o Bairro da Calçada e o Bairro da Barrosa.

O valor previsto do investimento será ascenderá 1.000.000€ e será responsabilidade do município do Montijo.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo